Rota dos Parques

Sobre

Situação: Aprovado

Data de aprovação: 09/11/2018
Unidade de Conservação: Todas
Município: Todos
Proponente: INEA/DIBAPE
Instrumentos: Compensação ambiental
Gestor Operacional: IDG

Descrição:

O Estado do Rio de Janeiro é um dos estados brasileiros que mais contribui para os números do turismo nacional. Seus variados destinos, com sol e praia, ecoturismo, turismo cultural, turismo de aventuras, oportunidades relacionadas ao turismo náutico e esportivo, entre outros segmentos, expressam a sua diversidade e seu potencial crescente, em especial, aqueles relacionados a negócios e eventos.
A sinalização nas unidades de conservação é um instrumento de orientação necessária e essencial para atendimento dos objetivos de visitação das unidades de conservação. A sinalização proposta permite o desenvolvimento da padronização e sequência de mensagens, que objetivam atender aos visitantes nas mais diversas atividades. Além disso, proporciona à população de moradores do entorno maiores informações relacionadas às especificidades pertinentes a proteção e conservação da biodiversidade.
Esses dispositivos facilitam o deslocamento e a acessibilidade aos atrativos turísticos e aos equipamentos de interesse do visitante, tais como a infraestrutura de serviço de apoio.
A sinalização é item determinante para composição da infraestrutura de apoio à visitação, para o deslocamento e acesso de visitantes, sendo de suma importância para segurança de todos que adentram a estes espaços naturais.
Atualmente a sinalização se configura uma grande lacuna na gestão das unidades estaduais. De acordo com o levantamento de componentes prioritários do Planejamento Estratégico da DIBAPE – INEA, a necessidade de sinalização foi apontada pela maior parte das UCs como item prioritário de atuação, considerando a carência no tocante a quantidade e qualidade da mesma.
Nesta linha de fomento e melhoria da visitação nas UCs estaduais, recentemente o INEA criou o Programa “Vem Pedalar RJ” com o objetivo de promover a visitação ecologicamente consciente, por meio do turismo da educação ambiental, fomentando a atividade de ciclo turismo nas Unidades de Conservação Estaduais.
Segundo definição da EMBRATUR, “o ecoturismo é um segmento da atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista através da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações envolvidas”. A prática eco turística se expande 20% a cada ano no mundo. Cerca de 13% dos turistas estrangeiros que vem ao Brasil são ecoturistas, o que significa 200 mil visitantes anuais. No Brasil, o ecoturismo cresce 10% a cada ano, existindo no país mais de 250 operadores e agentes especializados de ecoturismo. Esses dados enfatizam ainda mais a importância de se incentivar a prática dessas atividades nas Unidades de Conservação.
Diante do exposto o projeto “Rota dos Parques” prevê munir as Unidades de Conservação de sinalização adequada visando atender de forma satisfatória os visitantes e fomentar o uso público por meio da contratação de serviços de consultoria especializada para elaboração do plano estratégico para a criação e monitoramento de rotas ciclo turísticas interligando as Unidades de Conservação do Estado do Rio de Janeiro, visando à criação de um circuito formado por 02 (dois) roteiros distintos e a produção de material de divulgação do projeto.
 

Objetivo do projeto:

Prover as Unidades de Conservação Estaduais de sinalização adequada e fomentar o uso público, respeitando os objetivos precípuos das mesmas, através da criação, estruturação e implementação de rotas ciclo turísticas, interligando as UC’s estaduais, proporcionando uma maior eficiência na atividade de proteção e preservação do remanescente de fauna e flora no Estado do Rio de Janeiro.

 

Objetivos específicos do projeto:

1 Prover as unidades de conservação de sinalização interpretativa, indicativa e informativa, nas Rotas e trilhas no interior das UCs e suas zonas de amortecimento;
2 Estimular o uso público das unidades de conservação estaduais, utilizando sua capacidade instalada para a recepção de visitantes;
3 Incentivar o uso da bicicleta como possibilidade de um meio de transporte intermodal, para longas distâncias; e,
4 Divulgar e promover a rede de UCs estaduais através de material informativo sobre suas rotas e atrativos.
 

 

Sobre o Fundo da Mata Atlântica

O Fundo Mata Atlântica (FMA-RJ) é um mecanismo inovador que permitiu ao Rio de Janeiro subir novo patamar na utilização das COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS.

A possibilidade de o empreendedor depositar os recursos de Compensação Ambiental num “fundo” privado e de destinação pública, que deu ganho de escala e eficiência na gestão das Unidades de Conservação do Estado do Rio de Janeiro.

Conheça o FMA-RJ e veja como esse mecanismo pioneiro, eficiente e eficaz, estruturou as áreas protegidas no Estado do Rio de Janeiro para cumprir seus objetivos e abriu este espaço rico em biodiversidade para a população, proporcionando bem estar a todos.