Restauração Ecológica na Reserva Ecológica de Guapiaçu e no Parque Estadual dos Três Picos

Sobre

Situação: Aprovado

Data de aprovação: 28/11/2019
Unidade de Conservação: Reserva Ecológica de Guapiaçu e Parque Estadual dos Três Picos
Município: Cachoeiras de Macacu, Nova Friburgo
Proponente: SEAS/Subcon
Instrumentos: Restauração florestal
Gestor Operacional: IDG

Descrição:

As áreas a serem restauradas estão inseridas na Reserva Ecológica do Guapiaçu – REGUA e no Parque Estadual dos Três Picos. As áreas propostas para restauração neste projeto fazem parte do Sistema Imunana – Laranjal, composta pelos rios Guapiaçu e Macacu, principal manancial de abastecimento público da porção leste da Região Metropolitana do Rio de Janeiro e que abastece cerca de 1,7 milhões de habitantes, sendo a terceira bacia de abastecimento do Estado do Rio de Janeiro em contingente populacional. Além disso, os polígonos a serem restaurados estão inseridos em Áreas de Interesse para Proteção de Mananciais (AIPM) da bacia do rio Guapi-Macacu. Esta região é protegida por uma vasta rede de unidades de conservação de uso sustentável e de proteção integral que fazem parte do Mosaico Mata Atlântica Corredor Central Fluminense. Este Mosaico constitui um eixo fundamental para a conservação da biodiversidade no Estado do Rio de Janeiro. Assim a restauração de tais áreas irá promover uma melhora na conectividade estrutural dos remanescentes florestais desta paisagem. Assim, o objetivo deste projeto é restaurar no mínimo 12 hectares em áreas estratégicas para políticas do Estado em áreas do Parque Estadual dos Três Picos e da Reserva Ecológica do Guapiaçu.

 

Objetivo do projeto:

Restaurar, no mínimo, 12 hectares em áreas estratégicas para políticas do Estado dentro do Parque Estadual dos Três Picos e da Reserva Ecológica do Guapiaçu.

 

Objetivo específico do projeto:

Proteger a biodiversidade e as áreas de recarga hídrica, aumentar a conectividade da paisagem, contribuir para a melhora no déficit de cobertura vegetal da região.

 

Sobre o Fundo da Mata Atlântica

O Fundo Mata Atlântica (FMA-RJ) é um mecanismo inovador que permitiu ao Rio de Janeiro subir novo patamar na utilização das COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS.

A possibilidade de o empreendedor depositar os recursos de Compensação Ambiental num “fundo” privado e de destinação pública, que deu ganho de escala e eficiência na gestão das Unidades de Conservação do Estado do Rio de Janeiro.

Conheça o FMA-RJ e veja como esse mecanismo pioneiro, eficiente e eficaz, estruturou as áreas protegidas no Estado do Rio de Janeiro para cumprir seus objetivos e abriu este espaço rico em biodiversidade para a população, proporcionando bem estar a todos.